Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Pérolas da Urgência

37ºC não é febre

Pérolas da Urgência

37ºC não é febre

Se os médicos fossem Vingadores

Depois de ter ido ver o filme "Avengers: Endgame" no meu home cinema privado, que fica no piso -1 da minha mansão com vista para o mar, acompanhado por duas modelos da Playboy que conheci há tempos numa dessas festas do jet set que frequento enquanto ponho o dedo no registo biométrico do Hospital e, supostamente, estou a trabalhar (wink, wink), não pude deixar de reparar que muitas das personagens do filme partilham semelhanças mais do que evidentes com muitos dos nossos colegas. Por isso mesmo, decidi dar asas à imaginação e utilizar o tempo em que devia estar a ver doentes na urgência para escrever este artigo, no qual estabeleço uma comparação entre os vários heróis da saga da Marvel e os médicos das várias especialidades que embelezam os Hospitais do SNS por esse Portugal fora. Espero que gostem.

 

AVISO: Este artigo contém spoilers. Se já viste o filme, prossegue. Se ainda não viste o filme porque estiveste de urgência e subsequentemente demasiado cansado/a para sequer pensar em ir ao cinema, percebo a tua dor. Vai ver o filme quando puderes e depois volta aqui (ou seja, lá para 2021, espero que o blog ainda exista nessa altura). Se não viste o filme porque não segues a saga e não te interessas muito por este tipo de filmes pouco intelectuais, o que raio é que se passa de errado contigo?! Como foi viver debaixo de uma rocha durante os últimos dez anos? Passaram muitos desses filmes pseudo-intelectuais da treta de que tu tanto gostas lá nesse buraco de onde vieste? Anyways, spoiler alert. Considerem-se avisados.

 

Imagem1.jpg

 

 

Hulk - Ortopedia

 

Começamos com o mais óbvio. Se algum dos pequeninos presentes na sala achou que a Ortopedia poderia ser representada por alguém mais do que o Incrível Hulk (ou, em alternativa, o Drax), deve ter levado com um dumbbell na cabeça, só pode. Conhecido por ser o músculo do grupo, conhecemos neste último filme uma faceta mais intelectual e profunda do gigante verde que todos adoramos. Quase que fez lembrar quando o Ortopedista se lembra de pedir um raio-X do tórax a um doente ou consegue olhar para um ECG e perceber que está perante uma fibrilhação auricular. Mas tal como este herói, também o Ortopedista por muito que se esforce do ponto de vista intelectual, está lá para esmagar (salvo seja) e martelar ossos, cavilhas e próteses. Não se exige grande raciocínio da sua parte, mas tal como os Vingadores agradeceram a sua presença quando foi preciso manejar as Pedras do Infinito, também nós agradecemos a presença dos ortopedistas no SU quando cometemos o erro de pedir um raio-X a um doente com dor lombar e depois não o conseguimos interpretar.

 

Thor - Cirurgia Geral

 

Esta também é um bocado óbvia. A vida de Thor estabelece um paralelismo quase perfeito com o percurso de um interno de Cirurgia Geral. Começam por ser os galãs do pedaço (num caso, o galã de Asgard, no outro o galã do Bloco Operatório). Enquanto que Thor era sempre o primeiro a saltar para a frente de batalha, também o interno de Cirurgia Geral já nos seus tempos de aluno era o primeiro a saltar para a beira do campo operatório, enquanto os seus nove colegas se acotovelam atrás dele na tentativa desesperada de ver alguma coisa do que se está a passar na cirurgia. Nos seus tempos glórios, ambos demonstravam ser portadores de uma coragem notável em situações de perigo, seja a enfrentar vilões sádicos e perigosos como Loki ou, talvez pior que isso, suturar indivíduos alcoolizados à sexta-feira à noite na urgência de São José. Mas, infelizmente e como se pôde constatar neste último filme, tanto Thor como o interno, ou até já especialista, de Cirurgia Geral com o tempo vão acabando por perder o fôlego, ao mesmo tempo que a barriga vai inchando. E aquilo que em tempos foi um guerreiro valoroso, acaba por se tornar num gorducho mole que manda sempre os outros fazer o trabalho dele. Pena.

 

Homem-aranha - Gastroenterologia

 

Se há característica que podemos atribuir ao nosso vizinho amigável aracnídeo, essa característica é a agilidade. Haverá alguém melhor do que o alter ego de Peter Parker para sobrevoar os céus da cidade, percorrer túneis e caminhos apertados enquanto persegue os vilões e esgueirar-se por oríficios onde outros nunca entrariam? Claro que há! São os nossos amigos da especialidade do cócó! Com uma fluidez de movimento que faz corar o herói mais jovem desta saga, os gastroenterologistas também possuem a capacidade de explorar qualquer orifício, percorrer qualquer túnel ou canal, atravessar criptas, esfíncteres, pólipos e outros obstáculos, tudo com o intuito de descobrir por que raio é que o doente está a sangrar! E já os viram laquear varizes esofágicas? Se aquilo não vos faz lembrar o Homem-Aranha a prender os seus inimigos numa teia, provavelmente o vosso Glasgow está abaixo de 15.

 

 

Hawkeye - Anatomia Patológica

 

Eu sei que pode parecer estranha esta comparação. Mas desde cedo que este herói foi ridicularizado pelos parcos poderes que apresentava e pelo papel aparentemente secundário que desempenhou em todos os filmes da saga. Até que "Avengers: Endgame" chegou. Pudemos, finalmente, perceber que o homem que lança setas afinal é um membro válido da equipa, daqueles que mesmo não dando muito nas vistas, é crucial para o desenrolar da acção. Ora, as semelhanças entre Hawkeye e os vampiros da Medicina são mais que muitas. Vivem nas sombras, chamam pouco a atenção, gostam de conservar distância dos restantes colegas e alvos (que neste caso são os doentes) mas sem eles o mais provável era qualquer tipo de missão dar para o torto. E já nem falo na semelhança, mais que óbvia, entre o lançamento de setas e a marcação de lesões da mama com arpão. A propósito, acabei de descobrir que se escreve 'arpão' e não 'harpão'. Quem diria?

 

Capitã Marvel - Pediatria

 

A capitã Marvel foi uma adição relativamente recente à equipa. Sendo uma das personagens mais poderosas da saga, tem super-poderes que rivalizam com os de Thor ou de Hulk. No fundo, toda a gente a admira mas ninguém quer trocar de lugar com ela, porque sabem que no fim do dia se há alguém que tem de ir enfrentar o vilão sozinha, o mais provável é ter de ser ela. Com os pediatras é igual. Toda a gente admira o seu ar jovial e disposição, regra geral, bem disposta, mas ninguém está minimamente disposto a trocar de lugar com eles/elas. Porquê? Ainda perguntam? Experimentem apanhar um miúdo cigano de 5 anos a ter uma convulsão febril com a família toda à porta da sala de emergência pronta a sacar das naifas e começar a fazer desaparecer carteiras. Ao pé destes tipos, o Thanos é um menino. É nestas alturas que pensamos: ainda bem que há quem goste disto! Eles gostam. Valha-nos isso. Amém.

 

Doutor Estranho - Psiquiatria

 

Ninguém se quer meter com o poder da mente. E todos os restantes Vingadores olham para o Doctor Strange da mesma forma que, médicos, olhamos para os nossos colegas psiquiatras. Não sabemos o que andam por ali a fazer, sabemos que estão no mundo deles, não pescamos nada do que eles dizem e honestamente vivemos bem com isso. Limitamo-nos a tratar dos problemas mundanos e deixamos para eles os trâmites do subjectivo, da psicanálise, dos humores e das perturbações de personalidade. Quando eles chegam esboçamos um sorriso, como se a sua presença não nos causasse um ligeiro desconforto com o qual tentamos lidar, gostamos muito deles mas de preferência com uma distância de segurança.

 

Capitão América - Medicina Interna

 

O líder da equipa. Aquele que dá tudo por todos, com vista a fazer sempre o bem. Toda a gente o toma como garantido, mas quando a coisa aperta todos olham para ele com aquele olhar de cãozinho abandonado a aguardar orientações. Como um bom capitão, o internista é aquele que dá o corpo ao manifesto, sem pensar duas vezes e sem segundas intenções. Sabe que para que uns possam enfrentar aqueles vilões charmosos e bem vestidos que frequentam o privado e com isso ganhar 29 euros à hora, outros têm de ficar a enfrentar os soldados rasos e mal cheirosos nas trincheiras da urgência pública, ainda para mais a oito euros à hora. O Capitão América não está nisto por dinheiro, fama ou poder, mas sim porque gosta de fazer o mais acertado. O internista também. No fim, é ele que se voluntaria para as tarefas que ninguém quer fazer, como, sei lá, ir devolver as Pedras do Infinito à sua respectiva linha temporal ou ir transportar para outro hospital um doente cirúrgico que parou na enfermaria, foi ventilado pela Anestesia que agora diz que não o pode ir levar, esse tipo de coisas. Claro que depois acaba por pagar a conta. Enquanto os outros vão mantendo a sua aparência jovial, o internista chega ao fim ele próprio com um aspecto semelhante aos doentes que trata. Pelo menos assim tem a oportunidade de aplicar em si mesmo todos os conhecimentos de Geriatria que adquiriu durante a sua formação.

 

Homem de Ferro - Medicina Geral e Familiar

 

Infelizmente, no nosso mundo ainda há um ser mais infeliz que o internista. Refiro-me, logicamente, ao pobre do médico de família. Tal como Tony Stark, também ele é visto pelos colegas como um boémio que não gosta muito de trabalhar. Um calão que gosta é de boa vida e poucos calos nas mãos. Mas o que é certo é que no fim do dia é ele que se sacrifica para que o vilão possa ser destruído ou, adaptando isto para a nossa realidade, é para ele que mandamos as velhinhas que vão pela vigésima sétima vez nos últimos dois meses à urgência com dor torácica em contexto de ansiedade. É que para os internistas a batalha é dura mas, em princípio, termina quando o doente tem alta. Para o MGF não há altas. Já imaginaram o que isso é? Uma batalha eterna contra baixas fraudulentas, renovações de receituário, queixas inespecíficas e pessoas com necessidade de atenção? Se isso não é dar a vida pela Medicina, não sei o que será.

 

Menção horrorosa:

Thanos - Ministra da Saúde

 

Obviamente que tinha de fazer esta menção, até porque não há heróis se não existirem vilões à altura que os ponham à prova. Infelizmente por motivos legais aconselharam-me a não me referir a ninguém pelo seu nome verdadeiro, portanto vamos apenas dizer que este vilão é bastante TEMIDO por toda a gente. Wink, wink. Mas a sério, o plano de Thanos era dizimar metade das criaturas vivas do Universo, com a desculpa de que a Humanidade se tornou muito corrupta e dispendiosa para o planeta. Ao aniquilar metade dos seres vivos, Thanos pretendia que a metade remanescente prosperasse e mostrasse ao mundo aquilo de que realmente era capaz. Faz um bocado lembrar as políticas destes nossos tão queridos governantes. Reduzir pessoal, reduzir custos, pôr hospitais e centros de saúde a funcionar com metade dos recursos humanos com que deveriam funcionar e esperar que a metade que resta se sinta honrada pela oportunidade que lhe foi tão benevolamente concedida e com isso prospere e passe a produzir o dobro ou o triplo. Pelo mesmo valor, entenda-se. Claro que a coisa não podia correr bem. Se com Thanos, a metade dos heróis poupados se revoltou e acabou por levar a melhor, infelizmente parece-me que por muito que estalemos os dedos, esta vilã não vai desaparecer assim tão facilmente. Pelo menos até Outubro.