Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pérolas da Urgência

37ºC não é febre

Pérolas da Urgência

37ºC não é febre

Um dia na vida das bactérias do cólon

bacterias do cólon.png

 

A Escherichia coli, os Bacteroides e outras bactérias existentes no cólon das pessoas saudáveis acordam para mais um dia de trabalho.

 

A sua função é fermentar alguns nutrientes que chegam ao cólon através da alimentação e competir, de forma saudável, umas com as outras por esses mesmos nutrientes, de forma a que todas possam subsistir de forma equilibrada e nenhuma ganhe predominância sobre as outras. Isto é particularmente importante porque nem todas as bactérias são assim tão boazinhas. Por exemplo, o Clostridium difficile é uma bactéria particularmente chata. Está sempre a tentar sobrepôr-se às outras e comer mais nutrientes do que os que devia. É também uma bactéria particularmente resistente aos antibióticos e as outras amigas bactérias dizem que foi por isso que o poder lhe subiu à cabeça. A melhor forma de manter o Clostridium difficile na linha é promover este bom ambiente de competição saudável, para que todas as bactérias possam coexistir umas com as outras, sem que nenhuma cause infecção.

 

Mas naquele dia tudo foi diferente. A Escherichia coli e os Bacteroides estavam a preparar-se para começar o seu dia de trabalho, quando de repente o Lactobacillus chegou esbaforido ao pé deles, com ar de pânico.

 

Lactobacillus: Pessoal, alerta vermelho! Informaram-me agora que está a chegar um antibiótico ao duodeno!

 

Bacteroides: O quê?! Mas eu não sabia que o nosso hospedeiro estava doente!

 

Escherichia coli: Está doente mas é só uma infecção viral! Eu cruzei-me à entrada da orofaringe com uns rinovírus que me disseram que iam arranjar problemas no tracto respiratório superior!

 

Bacteroides: Então estás a dizer... Que o hospedeiro está a tomar antibiótico por uma infecção viral?

 

Lactobacillus: E não é um antibiótico qualquer, é uma quinolona!!!

 

Pânico total no lúmen do cólon.

 

Escherichia coli: Calma pessoal, vamos manter a calma! Não sabemos se isto não passa de um mal entendido. Não vamos desesperar já.

 

Bacteroides: Calma? Estás a dizer-me para ter calma?! Tu lembras-te do que aconteceu há seis meses atrás? Os nossos tetravós foram todos chacinados por um antibiótico que o nosso hospedeiro tomou! Não sobrou quase ninguém! Foi um genocídio!!!

 

Lactobacillus: Oh meu Deus, já estou a ver a quinolona a aproximar-se! Fujam!!!

 

A quinolona chega e começa a destruir as bactérias. Caos completo e absoluto. Os microrganismos correm de um lado para o outro, chocam uns contra os outros e gritam.

 

Lactobacillus: Salvem-nos!!! Ahhhh!!!

 

Bacteroides: Isto é mau demais!!!

 

No meio do caos de bactérias a fugir e restos de parede celular espalhados pelo cólon, eis que surge o Clostridium difficile, com um sorriso malvado e a esfregar as mãos de contente.

 

Clostridium difficile: BYE BYE BITCHES!!! Morram para aí! Agora quem manda aqui sou eu! Toxinas A e B, ao ataque!!!

 

Depois da chacina causada pela passagem da quinolona no cólon, o Clostridium difficile finalmente conseguiu conquistar para si o título de Rei do Cólon. O seu reinado durou algumas semanas, o que em idade de bactérias corresponde a muitos séculos, e foi caracterizado por muita violência e opressão sobre as restantes estirpes bacterianas. Apenas após um golpe de estado perpetrado pelas restantes bactérias do cólon, com ajuda externa de outras tantas que foram recrutadas através de um transplante fecal, é que finalmente o Clostridium difficile foi capturado e julgado pelos seus actos e pôde reinar alguma paz no cólon.

 

Moral da história: cada vez que tomamos antibiótico estamos a matar bactérias boas e a permitir que bactérias más possam subsistir e causar doenças graves. Evite tomar antibióticos sem indicação do seu médico.

 

 

  • Comentar:

    Mais

    Comentar via SAPO Blogs

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.